Revista Bang!
A tua revista de Fantasia, Ficção Científica e Horror, onde podes estar a par das novidades literárias, eventos e lançamentos dos teus autores de eleição.

Momentos Essenciais do Cinema de Ficção Científica

Beneath the Planet of the Apes (1969)

Beneath the Planet of the Apes (1969)

Ted Post

Geralmente pouco apreciado pela crítica e pelos incontáveis admiradores do filme seminal de que constitui a primeira de uma série de sequelas, prequelas e reinvenções (1969-2014), BENEATH THE PLANET OF THE APES foi desde logo condicionado pela recusa de Charlton Heston em retomar o papel de Taylor. Avesso a ver diluir o impacto devastador do primeiro filme naquilo que não conseguia antever senão como uma série de aventuras episódicas, Heston aceitou retomar o papel na condição de que a sua personagem fosse morta logo no início do filme. Taylor, o astronauta terrestre que, vítima de uma anomalia espácio-temporal se vê prisioneiro de uma Terra futura, devastada pela guerra nuclear e governada por macacos inteligentes, viria efectivamente a morrer nesse filme, mas apenas no final, um final apoteótico e, quiçá, o mais negro e desolador da História do Cinema. Um final que, se só por si seria brutalmente implacável, vai buscar um impacto acrescido à ironia que é saboreada por todos aqueles que se recordam do final de THE PLANET OF THE APES (1967).

 

A escolha inspirada de Boule, autor da novela que despoletou o fenómeno, de apresentar uma evolução invertida de Homo Sapiens para Pan Sapiens na sequência de uma guerra nuclear de aniquilação, como forma de comentar o comportamento humano, é enriquecida pela introdução no argumento de Paul Dehn, de uma outra espécie de sobreviventes da Bomba: uma raça de mutantes telepáticos que, na sua adoração pela Bomba – adoração literal, num templo subterrâneo, por entre as ruínas de Nova Iorque, como um deus tecnológico – servem de perfeito contraponto ao atavismo religioso e anti-científico dos sectores dominantes da sociedade símia (os gorilas chefiados por Ursos [James Gregory] e os orangotangos presididos por Zaius [Maurice Evans]). Se o comentário social nesta segunda entrega é atabalhoado e simplista (e, após o primeiro filme, redundante), a utilização recorrente de iconografia religiosa sublinha de forma brilhante o subtexto do filme.

Ficção Científica- planet of the apes

Estruturado, por via das reticências de Heston, como uma busca por Taylor, misteriosamente desaparecido em pleno ar no coração da Zona Proibida, o filme acaba por ter no seu âmago uma cruzada religiosa por parte de Ursus, em busca de lebensraum no deserto atómico, que o Lawgiver da sociedade símia decretou tabú. É, assim, uma guerra religiosa que serve de pano de fundo à transformação última de Taylor, o cínico humano que, em companhia de Nova (Linda Harrison), pensava deixar de lado o seu cinismo e, com ela, desempenhar o papel de Adão e Eva de uma nova raça humana no coração da Zona Proibida. A intervenção dos Mutantes e a incursão de Ursus, ambos autoproclamados eleitos de Deus, porém, não trazem consigo mais do que a morte prematura dessa nova Eva e, com ela, o fim de qualquer ilusão que Taylor pudesse ter quanto à capacidade de redenção do Humano (seja este homo, ou pan).
Ficção Científica- planet of the apes

Quando chegamos, porém, ao sanguinolento conflito final, nenhum dos filmes deixou qualquer dúvida na mente do espectador quanto à intrínseca falsidade das duas religiões em confronto. Órfãos de progenitores divinos, desprovidos de qualquer orientação sagrada, homens e macacos confundem-se nos seus anseios mais básicos. Não importa em que sentido aponta a seta da evolução, a natureza de ambos é a mesma. Se, caído de joelhos perante os destroços da civilização Taylor gritou “We finally dit it!”, aqui é ele próprio, no mais desesperado dos actos, que faz despoletar a bomba Alfa-Ómega num holocausto purificador.

Ficção Científica- planet of the apes

A sua mão ensanguentada pousa sobre o detonador e a imagem dissolve-se num nada indistinto onde apenas uma improvável voz off se faz ouvir, sentenciando, “In one of the countless billions of galaxies in the universe lies a medium-size star. And one of its satellites, a green and insignificant planet, is now dead.” Apesar de toda a grandeza de que se autoinvestiram, homens e macacos não passam de habitantes de um planeta insignificante, orbitando uma estrela mediana, na orla de uma de milhares de milhões de galáxias. A voz que se ouve não é a voz de Deus, muito pelo contrário. É a voz de H.G.Wells, corrigindo a narração daquele outro clássico da FC inspirado na sua obra, THE WAR OF THE WORLDS (1953). Aqui, não há qualquer ínfima criatura que Deus tenha desenhado para salvar o Mundo. Aqui não há redenção.

(EUA, 90mns, COR) Realização: Ted Post; Produtor: Arthur P. Jacobs; Argumento:Paul Dehn; Baseado no livro: “La Planéte des Singes” (1963) de Pierre Boule; Fotografia: Milton Krasner; Música: Leonard Rosenman; Efeitos Especiais: L.B. Abbott e Art Cruikshank; Efeitos Prostéticos: John Chambers; Intérpretes: Charlton Heston, James Franciscus, Kim Hunter, Maurice Evans, Paul Richards, Victor Burns, James Gregory, Jeff Corey, Natalie Trundy, e Linda Harrison.

 

%d bloggers like this: