Revista Bang!
A tua revista de Fantasia, Ficção Científica e Horror, onde podes estar a par das novidades literárias, eventos e lançamentos dos teus autores de eleição.

Entrevista com Justin Cronin

Entrevista com Justin Cronin, publicada na revista Bang! 11

Por ocasião da publicação do livro mais recente de Justin Cronin, Os Doze, a sequela de A Passagem, ambos lançados pela Editorial Presença em Portugal e Editora Arqueiro no Brasil, aproveitamos para republicar a entrevista que o autor concedeu à revista Bang! 11 em 2011.

justin croninRevista Bang!: Foi considerado o evento literário do ano e os direitos de adaptação para filme foram vendidos ainda antes de o manuscrito estar terminado. O que cativou tanto os leitores na sua obra A Passagem?

Justin Cronin: Penso que tudo se reduz ao facto de os leitores gostarem de uma boa história – personagens pelas quais se interessam, um enredo que as faz continuar a virar páginas, uma escrita que torna as cenas vívidas. Mas também penso que o livro aborda certas ansiedades contemporâneas, de mudanças climáticas a terrorismo e ameaça de uma pandemia global. É um mundo assustador, e os leitores gostam de exorcizar os seus medos através da leitura.

RB: Quão difícil foi combinar o horror, a ficção científica, o terror apocalíptico e o thriller, reforçados por referências literárias importantes e mitos gregos e bíblicos? Foi algo que surgiu naturalmente ou foi difícil prestar uma homenagem a cada um destes géneros e combinar todas as suas influências literárias?

JC: E não esquecer as influências ocidentais! Posto dessa forma, parece que foi algo muito difícil mas na verdade a escrita decorreu de modo muito natural.

RB: Uma dos pontos fortes do romance é o modo como torna os virais cientificamente plausíveis. Como é que evoluiu o background científico do romance? Foi tão fácil de lidar quanto as questões filosóficas e literárias?

DozeJC: Uma das minhas intenções originais era a de recriar o mito do vampiro sem magia. Não sou particularmente fã de magia na ficção. Parece algo demasiado fácil. Se permitirmos a magia num texto, qualquer coisa pode acontecer, julgo eu, e penso que um bom romance é aquele que surge dentro de limites bem definidos. Também considero que a magia foi em larga medida ultrapassada pela ciência no nosso tempo. Qual é a diferença entre o meu iPhone e uma varinha mágica? Não muita.

RB: Um dos momentos mais comoventes da primeira parte de A Passagem é a relação afectuosa semelhante a pai e filha entre Amy e Wolgast, que ecoa temas como a perda, luto e amor entre pais e filhos presente na peça de Shakespeare, Rei Lear. Na essência, A Passagem é uma história sobre a humanidade e a fragilidade dos laços humanos?

JC: É sobre a sua fragilidade, mas também a sua força. Qualquer romance sobre o apocalipse deve também dar lugar ao que pode ser salvo, e ao que vale a pena ser salvo, da humanidade.

RB: O seu romance também reflecte nas temáticas da morte e imortalidade. A imortalidade dificilmente poderia ser considerada uma coisa boa num mundo em ruínas como descrito na sua obra. Pode haver finais felizes para imortais?

JC: Finais felizes humanos, não. Muita da riqueza e cor da vida vem do facto de ser finita, e nós sabemos isso. A morte faz com que as coisas tenham mais importância.

A PassagemRB: Os leitores já estão fartos de vampiros graças a séries como a da Stephanie Meyer e todas as obras derivativas que se seguiram ao sucesso dessa autora. No entanto, algumas obras maduras e muito interessantes surgiram em anos recentes, como Deixa-me Entrar de John Ajvide Lindqvist ou A Estirpe de Guillermo Del Toro e Chuck Hogan. E agora A Passagem. Estes livos descrevem vampiros muito mais assustadores e perturbantes. Quanto mais os receamos, mais sentimos fascínio por eles?

JC: Os livros da Meyer não me interessam porque não foram escritos para mim – foram escritos para jovens mulheres. O que é perfeitamente justo. Também tenho uma filha adolescente. Mas as histórias de vampiros nunca irão desaparecer. Cada geração tem as suas histórias de vampiros, e eu tenho as minhas. Mas também li muitos livros de ficção apocalíptica quando era criança. Nasci em 1962 pelo que cresci durante a Guerra Fria. Essa foi a grande influência na minha escrita. Simplesmente usei vampiros como um meio para atingir um fim.

RB: Os cientistas e militares são os responsáveis pelos eventos apocalípticos presentes em A Passagem. Ambos estão a tentar criar o súper-soldado, um conceito também presente em outros livros, filmes e séries televisivas. Tal reflecte uma preocupação pela nossa realidade? Estamos condenados a correr para salvar as nossas vidas, como as suas personagens, num mundo que controla cada vez mais os movimentos dos seus cidadãos?

JC: As coisas parecem estar a evoluir nesse sentido, embora eu acrescentasse que as forças que nos controlam, pelo menos no mundo desenvolvido, são bem mais subtis e complexas. Como sabe o Facebook que estou interessado num serviço ou produto em particular? Rendemo-nos todos os dias, cada vez mais, à gigante máquina de marketing da cultura de consumismo. Provoca-me arrepios.

DozeRB: Sendo editora de uma revista de literatura especulativa e trabalhando numa editora que publica esse tipo de literatura, tenho consciência da fricção entre o género especulativo e a a literatura considerada mainstream. Parece ainda haver bastante preconceito contra a ficção científica, o horror ou o a história alternativa. No entanto, A Passagem conseguiu a difícil proeza de combinar sucesso popular com uma boa história de horror e com vampiros. Lev Grossman também conheceu o sucesso com o seu romance The Magicians, fantasia à Bret Easton Ellis. Está consciente da fricção entre estes dois mundos literários?

JC: É difícil não nos apercebermos dessa fricção, e sim, tenho consciência dela. Mas não é uma discussão na qual goste de me envolver; parece-me um pouco disparatado. Há ficção que é escrita meramente para entretenimento, e ficção que é considerada arte, mas a maioria da ficção cai num meio-termo entre ambos. Eu gosto de uma obra bem escrita, mas também gosto de um bom enredo.

RB: Pode nomear escritores de ficção especulativa que tenham influenciado a sua obra A Passagem?

JC: O livro mais influente terá sido Earth Abides de George Stewart, publicado na década de 40. Quando era criança, era, sem dúvida, o meu livro favorito.

RB: O que podem os leitores esperar do que resta da vida de Amy nos volumes seguintes de A Passagem?

JC: A sua vida é longa. Muito mais está para vir.

RB: Podemos esperar uma visita sua a Portugal algum dia?

JC: Adoraria! Por favor, alguém me convide.

Obrigado pela entrevista que concedeu à revista BANG!

[author] [author_image timthumb=’on’]http://revistabang.com/files/2013/09/justin-cronin.jpg[/author_image] [author_info]Justin Cronin, nascido em Nova Inglaterra, nos Estados Unidos, concluiu a sua formação em Harvard e no Iowa’s Writer Workshop. Anteriormente escreveu “Mary and O’Neil”, que venceu o PEN/Hemingway Award e o Stephen Craine Prize, entre outros títulos. “A Passagem” é o primeiro livro de uma grandiosa trilogia que entrou directamente para os lugares cimeiros das tabelas de vendas do “New York Times” e foi considerado um dos dez melhores romances do ano da sua publicação (2010) pela revista “Time”. Recentemente publicou a sequela Os Doze”.[/author_info] [/author]      

%d bloggers like this: