Revista Bang!
A tua revista de Fantasia, Ficção Científica e Horror, onde podes estar a par das novidades literárias, eventos e lançamentos dos teus autores de eleição.

Joe Abercrombie como convidado do BANGCAST

"O BANGCAST teve o seu primeiro convidado internacional: Joe Abercrombie, um dos mais conceituados escritores de fantasia, conhecido pelo tom bem negro das suas tramas. Foi uma conversa muito agradável onde falámos de livros, televisão, cinema, a arte de escrever, publicar, etc. Estão convidados a deixar feedback. Obrigado!" Luís Corte Real

Depois de duas tentativas, ambas canceladas devido à pandemia que vimos vivendo nos últimos dois anos, decidimos trazer Joe Abercrombie ao BANGCAST.

Joe Abercrombie não é um convidado qualquer, na verdade é um daqueles que sempre soubemos que não podia faltar MESMO na coleção BANG!  E não falta. Com a edição do “A Vingança Serve-se Fria” faz desde 2020 parte desta grande coleção.

O autor conta já com um extensa lista de publicações, tudo dentro da fantasia, com variados estilos, que vão desde grandes, pesadas e obscuras histórias, até fantasia mais juvenil. Por cá, e por razões já previamente explicadas por diversas vezes pela editora, temos muita vontade de editar mais do autor, um desejo já diversas vezes adiado.

Entretanto, enquanto não podemos ter o autor connosco fisicamente, trazemos um pouco do que ele nos pode oferecer através de uma entrevista para a Revista Bang! º 28 (2020) e o mais recente ep, o  #19 do BANGCAST, que conta com os nossos convidados habituais: Luís Filipe Silva, Bruno Martins Soares e o nosso anfitrião, o editor Luís Corte Real para conduzir esta conversa cheia de temas interessantes para todo e qualquer leitor.

Para assistires a este episódio (assim como os anteriores) basta clicares aqui e escolheres a tua plataforma habitual:

https://bangcast.buzzsprout.com/

 

Se quiseres ver as expressões dos nossos intervenientes, assim como a do nosso convidado, tens aqui o link do youtube:

 

Entrevista para a Revista BANG nº 28, Março 2020

 

“A vingança Serve-se Fria” é um livro que já publicaste há onze anos…sentes que já é um livro antigo?

É interessante para um autor que já anda por aqui há algum tempo – os livros novos são publicados em diferentes línguas em momentos distintos e os livros antigos têm uma vida duradoura. Surgem constantemente novas edições, e é por isso que há novos leitores a conhecer livros mais antigos. Há pouco tempo reli todos os livros da série First Law quando estava a rever o meu livro mais recente, A Little Hatred. Nesse sentido, não sinto este livro como “antigo”, mais como uma parte de um assunto
permanente.

 

Como incentivarias os leitores portugueses de fantasia a ler “A vingança Serve-se Fria”?

É uma história negra, tóxica, sangrenta e ocasionalmente divertida de vingança.

 

“A vingança Serve-se Fria”é um livro impiedoso. Mais ainda do que Glen Cook ou George Martin, porque é que és tão impiedoso?

Bem, dizem que deves escrever sobre aquilo que conheces… Sempre gostei de coisas que são obscuras e sombrias, sejam westerns, thrillers ou fantasia. Quando leio, quero temer pelos personagens, quero vê‑los enfrentar situações tenebrosas e perigosas, por isso tento escrever da mesma forma.

 

Não há muitos escritores de fantasia a passar de trilogias para romances standalone, porque é que o fizeste? ( e estou feliz por o teres feito)?

Isto pode parecer estranho vindo de alguém que escreve livros bastante grandes de acordo com a maioria dos padrões, mas fiquei um pouco frustrado pelo tamanho de muita da fantasia – séries cada vez maiores de livros cada vez maiores. Quando
terminei a minha enorme trilogia, quis tentar escrever histórias mais direcionadas, que se passassem no mesmo mundo e incluíssem algumas das mesmas personagens, mas fossem mais focadas, talvez com enredos mais cinematográficos. Queria que os leitores pudessem escolher e experimentassem um único livro em vez de terem de estar sempre à procura do primeiro livro de uma série.

Ser escritor profissional de fantasia é tão divertido como pensavas quando eras apenas um aspirante?

É uma pergunta interessante – em muitos sentido é uma ótima profissão. É criativa, tens um total controlo sobre o que fazes e como, e recolhes todos os benefícios do sucesso que alcanças. Mas a maior parte das vezes também pode ser muito solitária, daí ser fundamental a colaboração com os editores e os encontros com os leitores, sempre que possível. E há desafios – depois de finalmente teres terminado aquela incrível trilogia de fantasia que sempresonhaste escrever, tens de continuar a escrever a longo prazo e ter uma verdadeira carreira.

És muito nerd? ( comics, d&d, jogos de tabuçeiro, Witcher3)

Bem, ganho a vida a escrever sobre espadas mágicas e feiticeiros, por isso, imagino que estou perto do topo da escala. Também jogo muitos videojogos, e sempre o fiz. Quando era criança, também joguei muito roleplaying games, mas agora já não tenho tempo para o fazer.

Em relação a ficção Científica ( literatura e filmes/tv)

Gosto de ficção científica, mais de filmes e televisão do que da escrita, mas nunca ocupou no meu coração o mesmo lugar da fantasia. Nunca me imaginei a escrever ficção científica.

 

A SDE publica George Martin , Brandon Sanderson, Robin Hoob, Steven Erikson, Glen Cook, Michael Moorcock, Fritz Leiber, Robert E. Howard. Consegues listá-los por ordem de preferência?

Ah! Nunca me imaginei a fazer uma coisa dessas. Podes ficar chocado por saber que na verdade não li todos esses autores. Mas deixa‑me escolher aqueles que foram grandes influências para mim. George R.R. Martin, claro, abriu‑me realmente os olhos quando li A Guerra dos Tronos, na década de 90. Naquela época, tinha‑me de certa forma desapaixonado pela fantasia – parecia‑me ultrapassadae previsível –, e ele mostrou‑me que se podia fazer algo sombrio, chocante, imprevisível e direcionado para as personagens mantendo o foco na fantasia épica. Depois, Fritz Leibner é também um escritor que admiro, talvez um pouco ignorado nos nossos dias, mas as suas histórias têm um charme fanfarrão e são frequentemente muito divertidas, que é
uma coisa que não temos suficientemente na fantasia.

 

 Já alguém te disse que os teus títulos são incríveis?

Digo a mim mesmo o mesmo todas as
manhãs… BANG!

 

 

 

 

 

%d bloggers like this: